Blog

Gestão é a nossa causa.

Remuneração: confira o manual completo sobre o assunto

A gente sabe que quando o assunto é remuneração surgem várias dúvidas. E, por isso, nesse artigo nós vamos abordar de maneira sucinta as definições de remuneração. Sendo assim, você vai ver as diferenças de salários, tipos de remuneração existentes e alguns exemplos práticos de como aplicar todos esses conceitos no dia a dia. 

Afinal, entender todos esses conceitos é fundamental para o desenvolvimento da organização – já que está intimamente ligado à temática de pessoas!

O que é remuneração?

De início, é importante reforçar que a remuneração envolve todas as possibilidades de rendimentos que a empresa oferece ao seu colaborador. Ou seja, dentro da remuneração estão incluídos todos os benefícios estabelecidos no contrato de trabalho, além do próprio salário

Dessa forma, a importância de entender sobre os conceitos e desdobramentos da remuneração está diretamente ligado a uma boa construção de quadro de pessoal e estrutura de pessoas. Inclusive, não deixe de conferir o nosso artigo sobre quadro de pessoal clicando aqui! 

Qual a diferença entre salário e remuneração?

Enquanto que a remuneração é todo o “pacote” de benefícios e pagamentos da empresa para o profissional, o salário é apenas a parte do pagamento – em dinheiro e diretamente para o colaborador -, pela prestação do seu trabalho.

Nesse sentido, é importante destacar que é sobre o salário que temos a exigência no Brasil de pagamentos mínimos – o chamado “salário mínimo”. Para todos os trabalhadores com 44 horas de trabalhos semanais sempre se terá um salário mínimo pelo seu serviço, independentemente do tipo de serviço prestado. Para aqueles que trabalham menos que as 44 horas, os valores de pagamento devem ser proporcionais respeitando o salário mínimo.

Além disso, um dos conceitos sobre salário que também acaba gerando dúvidas para os empreendedores é a diferença entre salário base, líquido e bruto. 

  • Salário base: é a base salarial recebida pelo colaborador e a “régua” que contempla o salário mínimo. É sobre o salário base que são feitos os cálculos de descontos como INSS e Imposto de Renda;
  • Salário bruto: em cima do salário base a empresa ainda paga um valor de FGTS (fundo de garantia). O FGTS não é um tributo que é descontado do colaborador, é uma conta da empresa e que contempla os valores totais de benefícios que envolvem os salários. 
  • Salário líquido: valores recebidos pelo trabalhador, já com os descontos de INSS e IR.

Quais elementos fazem parte da remuneração?

Entendendo que a remuneração envolve todos os tipos de benefício ao colaborador, é importante entender quais são as possibilidades de incremento (além do próprio salário). 

Por isso, abaixo conseguimos trazer de uma forma resumida o que tudo isso pode representar: 

  • Adicional noturno: remuneração diferenciada para trabalhadores que exercem as suas funções no período da noite;
  • Horas extras: pagamentos de horas trabalhadas que excedam as horas contratadas;
  • Adicional de periculosidade: pagamento adicional a todos os empregados que, pelas suas atividades, estão expostos a algum perigo de vida;
  • Insalubridade: quando o local de trabalho, ou até mesmo a atividade profissional exercida, é prejudicial à saúde do colaborador;
  • Participação nos lucros ou premiações:  remuneração que está ligada a resultados extraordinários que o colaborador possa ter atingido e contribuído para o crescimento da empresa; 
  • Gorjetas e gratificações: valor dado ao colaborador diretamente pelo cliente pelo seu ato de “servir”;
  • Comissões: ligada, normalmente, a alguma intermediação de vendas, ou atingimento de metas como forma de incentivar a área comercial. Lembrando que esse tipo de remuneração precisa estar coerente com a estrutura comercial da empresa! 
  • Demais incentivos.

Como elaborar um bom plano de benefícios?

Depois de todos esses conceitos você pode se questionar sobre quais as melhores possibilidades para montar um bom plano de benefício para a sua equipe! Pois bem, não existe uma resposta “pronta” – toda a estrutura de remuneração e benefício precisa estar alinhada com a sua estratégia e cultura. 

Na 4CINCO, por exemplo, nós utilizamos a remuneração por prêmio como forma de incremento aos valores distribuídos em salários. Assim, nosso principal objetivo com essa remuneração é atrair as melhores pessoas para trabalhar conosco e conseguir retribuir, de maneira meritocrática, a entrega extraordinária e acima da média que aquele colaborador conseguiu entregar para a empresa em um período de seis meses.  

Essa forma de remuneração está totalmente alinhada com a nossa estratégia de crescimento e retenção de pessoas! 

Além disso, uma das ferramentas que nós utilizamos para avaliar alguns desses critérios partem do nosso processo de PDI, que você pode conferir aqui

Como escolher o tipo ideal de remuneração para minha empresa?

Antes de olhar diretamente para a estrutura de remuneração, a nossa dica é olhar para a estrutura de pessoas e planejar o crescimento do seu negócio nos próximos cinco anos. 

A remuneração, portanto, é uma “etapa” dentro da estrutura de pessoas, que contempla funções, responsabilidades, cargos, salários e benefícios. 

Investir na estrutura organizacional da sua empresa é outro aspecto fundamental para mantê-la em pleno funcionamento. Saiba mais sobre o assunto clicando aqui!