Blog

Gestão é a nossa causa.

9 ENSINAMENTOS DE GESTÃO DO PROFESSOR FALCONI

Este artigo consolida os 9 principais ensinamentos de gestão do Vicente Falconi, guru de gestão, presentes no livro que conta sua história e trajetória.

No livro Vicente Falconi – O que importa é o resultado, a jornalista Cristiane Correa destaca a trajetória e os ensinamentos do professor Vicente Falconi, considerado por muitos como o guru da gestão no Brasil. Homem de origem simples e background acadêmico, Falconi buscou conhecimento em eficiência e padronização nas empresas japonesas para desenvolver seu método, baseado no PDCA, mas essa leitura mostra que quem conferiu “dentes” – um viés financeiro e práticas de meritocracia – para ele foi o trio do Banco Garantia (hoje 3G Capital): Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles.

Selecionamos abaixo, 9 ensinamentos de gestão, presentes na leitura:

#1 Seguindo processos, a execução melhora

Falconi destaca a importância da padronização do método de trabalho e das informações dentro de uma empresa. Com um padrão, que é o instrumento básico do gerenciamento da rotina, os processos são facilmente replicados e os colaboradores, com a ciência dos procedimentos que devem ser seguidos para a execução das tarefas, passam a assumir a responsabilidade pelo resultado de seu trabalho.

E como podemos iniciar a padronização e a otimização dos processos de uma empresa?

O primeiro passo é selecionar os processos-chave da empresa, sem os quais ela não existiria. A partir daí, podemos desenhar um fluxograma de acordo com a realidade atual e, junto com os envolvidos no processo, perguntar algumas questões como: Quais as etapas que são indispensáveis? Quais etapas podem ser feitas em paralelo? Podemos simplificar esse processo?

O objetivo principal deste primeiro passo da padronização, é mapear as ineficiências dos processos e incentivar que os envolvidos nele busquem sempre pela melhoria contínua dentro das suas rotinas de trabalho.

#2 Sem medição, não há gestão

Falconi preza pela gestão baseada em dados e fatos, o que pode ser feito por meio da definição e implementação de indicadores na gestão da empresa. Com o monitoramento dos indicadores, a tomada de decisão dentro da organização passa a ser feita de maneira científica. Isto é, baseada evidências que indicam de forma lógica quais as estratégias que devem ser seguidas e quais as metas que devem ser perseguidas pela organização, o que permite que os líderes e gestores realizem um melhor trabalho.

#3 Cada chefia deve ter entre 3 e 5 metas prioritárias

No método de Falconi, as metas são desdobradas do maior nível hierárquico até o nível operacional – o que gera conexão entre as atividades desempenhadas em cada nível gerencial e promove clareza das prioridades e do foco de atuação de cada pessoa da organização, estimulando a geração de resultado.

#4 As métricas financeiras são as principais

Após trabalhar intensamente ao lado de Marcel Telles, um dos sócios do 3G Capital e terceiro homem mais rico do Brasil, Falconi adotou o foco financeiro para o seu método, o qual se utiliza de indicadores financeiros que traduzem a eficiência da empresa. Como exemplo de indicador, podemos citar o EBITDA, que o professor afirma que mostra, em linhas gerais, se você está comprando, fabricando e vendendo bem – e se sua precificação e suas práticas de marketing estão certas.

Dentro de qualquer empresa, o foco financeiro traz o benefício da facilidade de comparação dos resultados obtidos com referenciais de mercado e possibilita a busca de benchmarks para o estabelecimento de metas da organização.

#5 Problema é a diferença entre a situação atual e a meta

“Gestão é abrir e fechar gaps”, afirma Falconi. No seu método, o guru da gestão instrui que as organizações devem identificar os gaps, que ele define como “problemas bons” – que são a diferença entre a situação atual e a meta – por meio da comparação, de benchmarking e de estudo. Em seguida, devem ser criados planos de ação que possibilitam a resolução desses problemas, o que permite o crescimento da empresa.

Como um exemplo de “problema bom”, podemos elencar um processo comercial despadronizado. Ao resolvê-lo, por meio de criação de padrões e treinamento da equipe, as vendas serão potencializadas e, por consequência, a empresa obterá melhores resultados.

#6 Alta rotatividade de funcionários é inaceitável em uma empresa

Falconi afirma que “70% do sucesso de uma organização é gente e que 70% do seu resultado é liderança”. Com esse ensinamento, podemos perceber como a cultura organizacional pode impactar nos negócios e como programas de formação de lideranças, treinamentos, avaliação de desempenho podem contribuir para o aumento da performance das empresas.

#7 Liderar é bater metas consistentemente, com o time fazendo certo

As metas dão o poder de, todos os anos, descobrir que podemos e precisamos fazer melhor. A construção delas deve ser feita com valor, um objetivo e um prazo, como por exemplo: atingir um faturamento de 1 milhão até 2019. Elas “devem ser colocadas de forma técnica, de modo a dar a sensação de que são difíceis, mas podem ser atingidas”, como afirma o professor.

#8 Uma pessoa deve ser constantemente desafiada a buscar novos conhecimentos

O estabelecimento de metas que estimulam a busca por novos conhecimentos, a formação e o desenvolvimento dos profissionais desde o nível mais operacional abrem portas para que eles estejam aptos a buscar pela melhoria contínua e identificar “problemas bons” que poderão ser solucionados e permitirão o crescimento da empresa.

Uma prática simples e que pode ser implementada dentro das empresas é o incentivo a leitura e discussão de livros entre os funcionários, que favorece o surgimento de novas ideias e boas práticas de trabalho.

#9 Os resultados do passado não servem para o futuro

O guru da gestão, que empregou no seu método a influência dos japoneses na busca pela eficiência máxima, estimula a análise crítica dos dados e das informações para que as organizações não repliquem erros passados no futuro.

Esse ensinamento se enquadra na mesma teoria de origem do Orçamento Base Zero (OBZ), metodologia que inverte a lógica tradicional de orçamentação, e preza pela redução de custos e de despesas ao não levar em consideração o que ocorreu nos anos anteriores, evitando, assim que ineficiências sejam perpetuadas.

Esses são apenas alguns ensinamentos de Falconi e exemplos de boas práticas que podem ser adotados nas organizações para a potencialização de seus resultados. É indispensável que se adapte à realidade de cada empresa as ações que serão desempenhadas e, por isso, a 4CINCO auxilia seus clientes a desenvolver e implementar um modelo de gestão voltado para aquilo que realmente gera valor para o seu negócio e para a sua equipe.

Leave a Reply