Blog

Gestão é a nossa causa.

GESTÃO DE ESTOQUE: POR QUE FAZER?

Entre os processos gerenciais importantes para o resultado das empresas, a gestão de estoque se mostra um dos mais desafiadores, principalmente no âmbito de pequenas e médias empresas.

O estoque é um dos aspectos mais estratégicos para determinados setores. O capital de giro, por exemplo, pode ser comprometido pelo valor disponível em recursos armazenados. Uma falha nessa gestão reflete em outras áreas, como a financeira e a comercial, afetando, consequentemente, o resultado do empreendimento.

CONTROLE x GESTÃO

É muito comum uma empresa confundir o controle de estoque com a gestão do mesmo. Há muitas empresas que controlam com excelência seu inventário, entretanto não se utilizam dessa informação para tomada de decisão.

O controle ocorre quando se tem a informação. Visto isso, caso a empresa tenha o registro de entradas e de saídas de materiais, endereçamento e nível de seu inventário, já está fazendo um ótimo controle de estoque. O que poucos enxergam é que se a informação não leva a uma tomada de decisão, de nada serve.

A gestão de estoque, propriamente dita, é exercida no momento que o controle leva a empresa a obter resultados melhores. Um bom gerenciamento garante o equilíbrio de oferta e demanda dos produtos, refletindo em uma maior satisfação do cliente e impedindo rombos nas finanças da instituição.

4 PASSOS FUNDAMENTAIS PARA GERIR O ESTOQUE

Priorização de produtos

Uma grande dificuldade de gerir o estoque é ter diversos produtos com características bem diferentes. Visto isso, é muito comum a prática de definir as mercadorias que serão analisadas de forma mais minuciosa.

Para isso, existem diferentes métodos. O mais utilizado e mais conhecido é o ABC. Ele segue a lei de Pareto, identificando os produtos mais importantes armazenados. Essa priorização pode ser feita pelo faturamento, lucratividade ou até mesmo pelo giro do estoque, ou seja, destacar aqueles produtos que mais saíram em determinado período de tempo.

Previsão de Demanda

Para uma melhor gestão de compras, é necessário a definição de estoques máximos e mínimos. Isso pode ser feito a partir de uma boa previsão de demanda. Muitos produtos apresentam sazonalidades bem características e isso pode ser observado e analisado mantendo um bom banco de dados de demanda dos últimos anos. Quanto maior a informação, ou seja, quanto maior o número de observações, mais rico será o resultado da previsão e, por consequência, mais fácil será a tomada de decisão do que comprar de seus fornecedores.

Indicadores

Como saber se as estratégias baseadas na gestão de estoque estão tendo resultados satisfatórios? O acompanhamento de indicadores é o que dará a resposta para o empreendedor.

Há alguns indicadores clássicos que podem ser usados:

  • CMV (Custo da Mercadoria Vendida): Importantíssimo para monitorar se as compras da empresa estão sendo feitas de forma inteligente. A tendência, com uma boa gestão de estoque, é que esse custo diminua.
  • Ruptura: Monitora se a empresa está conseguindo responder à demanda. Deve ser controlado, pois com o aumento da ruptura, ou seja, não atender à expectativa do cliente, a chance de perder o consumidor para a concorrência aumenta.
  • Giro de Estoque: É relevante entender não só as mercadorias que estão girando mais, como também aquelas que tem uma saída muito baixa. Assim, é possível criar uma estratégia para dar vazão a esses produtos diminuindo o dinheiro parado.
  • Valor parado em estoque: “Estoque é dinheiro”. Essa máxima parte da premissa que o estoque sugere uma quantia relevante que poderia estar sendo investida e rendendo de outra forma. Então, uma gestão bem feita tem que dar conta de controlar o valor que os produtos parados representam, buscando sempre a redução desse número.

Sistema

Toda gestão de estoque parte de um bom controle de estoque, como supracitado. Tendo isso em vista, é preciso se munir de alguma ferramenta que torne esse controle o menos operacional possível.

No cenário de pequenas e médias empresas, um bom excel muitas vezes é mais que suficiente. Entretanto, no mundo de empresas grandes, a complexidade aumenta muito e a utilização de algum software especializado pode se tornar necessária. Assim, é possível entender com maior exatidão as informações que facilitam a decisão da estratégia a ser executada.

RESULTADO DA GESTÃO DE ESTOQUE

 A aplicação dessa gestão pode ter resultados diversos e reverberar em áreas diferentes da empresa. Por exemplo, o excesso de estoque pode levar a problemas de fluxo de caixa e a ruptura pode levar à baixa satisfação do cliente. Além disso, é requisito básico para uma boa gestão de compras, e consequente gestão de fornecedores.

Em suma, se estoque é dinheiro, merece uma boa gestão.

Leave a Reply